COLUNA – DANI SALOMÃO | Políticas públicas mais intensas para mulheres da cultura

0
62

GDF se empenha em prol das trabalhadoras nos editais, projetos e termos de fomento.

A equidade de gênero ganha força e destaque como instrumento de fomento à cultura no Distrito Federal. Com o objetivo de vencer as desigualdades e estabelecer condições para a construção de políticas públicas direcionadas à mulher, a Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) tem desenvolvido um trabalho célere em prol do aumento da participação feminina em editais, termos de fomento e projetos do Fundo de Apoio à Cultura (FAC).

No Distrito Federal, o crescimento de mulheres em segmentos culturais é evidente, mas ainda não representa um mercado de trabalho equilibrado. Nesse sentido, a Secec se empenha em aumentar a participação feminina no campo das artes, com projetos que reforcem seu papel de destaque e contribuam para a autonomia e empoderamento feminino. Fruto de uma visão estratégica, o trabalho desenvolvido pela pasta considera a grande diversidade existente entre as mulheres, para atendê-las de modo justo e igualitário.

“Temos uma equipe de mulheres atentas que estudam e apontam caminhos para conseguirmos aumentar as oportunidades de trabalho e geração de renda para as trabalhadoras da cultura”, aponta o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues.

“Nossa expectativa é que aumente o número de mulheres selecionadas nos editais voltados para a arte urbana”Érica Lewis, subsecretária de Economia Criativa

Editais inclusivos

Os editais que são publicados buscam a política de equidade de gênero, como foi o caso do Planaltina Arte Urbana e Encontro do Grafite. Nesse último, a Secretaria garantiu a reserva de vagas femininas, em consonância com o Art. 5º do Decreto nº 38.933/2018 (Fomento à Cultura) e a Portaria nº 58 de 2018, que institui a Política de Equidade de Gênero na Cultura.

“Nossa expectativa é que aumente o número de mulheres selecionadas nos editais voltados para a arte urbana”, afirma a subsecretária de Economia Criativa, Érica Lewis, que viu esse dado se refletir na visibilidade de mulheres no grafite.

Em outros, como o FAC Visual Periférico e o Aldir Blanc Gran Circular, foram criadas pontuações extras para o gênero feminino e mulheres negras, índias e quilombolas.

Embora 2020 tenha sido marcado pela crise sanitária ainda enfrentada atualmente, houve aumento da participação feminina entre agentes culturais e profissionais de economia criativa do DF

“Acredito que a vontade de ver mais mulheres exercendo papéis de liderança na cultura é o que nos motiva a trabalhar em prol da equidade de gênero. Como mulheres, precisamos exercer não só a sororidade, mas também exaltar a pluralidade e a diversidade cultural existente na população feminina do DF”, destaca a subsecretária de Difusão e Diversidade e Cultural, Sol Montes.

Políticas femininas

Embora 2020 tenha sido marcado pela crise sanitária ainda enfrentada atualmente, houve aumento da participação feminina entre agentes culturais e profissionais de economia criativa do DF. No Fundo de Apoio à Cultura (FAC), uma das mais importantes linhas de fomento da Secec, a contemplação feminina totalizou 36% nos editais lançados no ano passado, caso do apresentações On-lineRegionalizado e o grande destaque, Prêmio FAC Brasília 60.

Contemplada no edital emergencial FAC Prêmios, a atriz e produtora cultural Clara Camarano, 37 anos, destaca o poder da mobilização feminina e a importância das artistas mulheres para a cultura do DF. Sobre a ampliação de políticas públicas, ela afirma que a busca por igualdade cresce a cada ano e tem orgulho em fazer parte da representatividade cultural feminina no DF.

“Minha carreira como atriz foi construída por meio da união de mulheres dedicadas a contribuir com sua arte, sua especialidade, seu olhar e suas ações. Me sinto lisonjeada e amparada por ter ganho este prêmio, em forma de reconhecimento e amparo em um momento que estamos longe das salas de espetáculos, apenas com trabalhos virtuais”, apontou.

Na política de execução de Termos de Fomento, executados pelo Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil (MROSC), a seleção de projetos foi feita com o foco em capacitação de agentes culturais e formação de novas profissionais da cultura. Com cerca de R$890 mil injetados em projetos exclusivos para mulheres, foram oferecidos diversos cursos on-line de capacitação.

Fonte: Agência Brasília.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui