Ampliação da malha cicloviária do DF tem foco na segurança dos usuários

0
158

Para aproveitar, sobre duas rodas, os quase 700 quilômetros de vias para as bicicletas, ciclistas têm de estar atentos aos equipamentos de segurança, aos seus direitos e deveres, e desviar dos mitos que aparecem pelo caminho.

O Distrito Federal caminha para ter a maior malha cicloviária do país. Atualmente, o DF possui 675 quilômetros de extensão de ciclovias e ciclofaixas. Em números totais, a capital fica apenas atrás de São Paulo, que tem população quatro vezes maior e 722 quilômetros do modal. A malha cicloviária do DF passa por 30 regiões administrativas e o Governo do Distrito Federal (GDF) está trabalhando para ampliá-la, com obras em execução contemplando mais 40 quilômetros no Corredor Eixo Oeste e quatro quilômetros no Núcleo Bandeirante.

Uma campanha promovida pelo Departamento de Trânsito do DF é o circuito de Bike Detran nas RAs. Esse passeio ciclístico ocorre de dois em dois meses e atrai um público que varia entre 500 a 1.500 ciclistas. O objetivo é levar orientações aos pedestres, ciclistas, motociclistas e motoristas sobre modais e veículos | Foto: Divulgação/Detran-DF

Apenas no ano passado, o GDF construiu 31 quilômetros de malhas viárias para ciclistas. “Já estão em estudos a construção de mais 105 quilômetros de ciclovias e ciclofaixas. Sendo ciclovias construídas apartadas da via de rolagem e as ciclofaixas junto às vias. Todas com pintura diferenciada vermelha e sinalizada. As prioridades serão as regiões administrativas onde ainda não tem as vias, e também vias de ligação entre as ciclovias. Em breve, teremos a maior malha para ciclistas do país. Todas as nossas obras preveem ciclovias e ciclofaixas. Seja na zona rural, seja na BR-440. Nosso objetivo é melhorar a qualidade de vida da população”, explicou o superintendente do Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER-DF), Cristiano Cavalcante.

Mecânicos realizam a manutenção das bicicletas gratuitamente como parte da inscrição em evento pelo Detran-DF

O jornalista Weverson Ferreira, 29 anos, mora no Paranoá e trabalha no Plano Piloto. Há oito anos, ele vai ao trabalho frequentemente de bicicleta. Como meio de transporte, o jornalista utiliza a magrela por 40 quilômetros diariamente. Mas, o pedal para ele também é saúde física e mental. “Também treino em alta performance com a bicicleta. Nos meus treinos, percorro uns 55 quilômetros, principalmente nas ciclofaixas no Lago Sul. Nos últimos anos, as ciclovias melhoraram bastante, mas o que noto de dificuldades são as interligações com outros modais, as interligações entre as próprias ciclovias e locais com segurança para deixar a bicicleta”, avalia.

Segurança

Quanto maiores as possibilidades de trafegar no relevo plano de Brasília sobre duas rodas, mais responsabilidade. Tendo a segurança no trânsito como prioridade, o GDF, por meio do Departamento de Trânsito (Detran-DF) desenvolve uma série de campanhas de conscientização. Um desses programas é o Projeto Bike em Dia, que leva orientações para os ciclistas, como comportamento na via, responsabilidades, deveres e direitos do ciclista.

Outra campanha promovida pelo Detran-DF é o Circuito de Bike Detran nas RAs. Esse passeio ciclístico ocorre de dois em dois meses e atrai um público que varia entre 500 e 1.500 ciclistas. O objetivo é levar orientações aos pedestres, ciclistas, motociclistas e motoristas sobre modais e veículos. Lembrando que bicicleta é um veículo.

A inscrição para o evento é gratuita e uma equipe de mecânicos realiza a manutenção das bicicletas gratuitamente. Na oportunidade, são entregues kits que contemplam: camisa ‘motorista, respeite o ciclista’ e ‘ciclista, siga as regras de trânsito’; guia da bike, mochila retrorrefletiva, adesivo de ‘respeite o ciclista´, pulseira retrorrefletiva, chaveiro do ciclista para colocar apito e placa retrorrefletiva com a mensagem de respeito ao ciclista também.

Segundo Miguel Videl, chefe de Ações Educativas do Detran-DF, as principais orientações passadas nesses eventos são sobre os equipamentos de segurança que os ciclistas devem usar. “Pela legislação, os equipamentos obrigatórios são retrovisor do lado esquerdo, iluminação branca na frente e vermelha atrás e buzina, mas, como especialista e ciclista, para mim, o capacete também tem que ser obrigatório. Eu recomendo também roupas chamativas e calçado fixo ao pé, luvas e óculos de proteção”, defendeu.

Uma dúvida comum entre ciclistas, motoristas e pedestres é onde a bicicleta deve trafegar

Outra dúvida comum entre ciclistas, motoristas e pedestres é onde a bicicleta deve trafegar. “Existem três vias que o ciclista pode trafegar: ciclovia, ciclofaixa ou acostamento. Na impossibilidade de utilizar essa malha, o ciclista deve usar as vias de rolamento como um veículo de propulsão humana que é. Calçada é para pedestres. Por vezes o pedestre anda pelas ciclovias ou essas vias não estão bem conservadas. Para proteger o pedestre nesses casos, o ciclista deve andar nas vias com os outros veículos”.

Outro mito que existe é que os ciclistas não podem ser responsabilizados pela condução. “Pode, sim. O ciclista é responsável pelos pedestres, assim como os motociclistas são responsáveis por ciclistas e pedestres e os motoristas por motociclistas, ciclistas e pedestres. O maior protege o menor. O ciclista que trafega na contramão, por exemplo, já está cometendo uma infração. Se ele quebra um retrovisor de um carro andando na contramão, por exemplo, será responsabilizado”.

Esse tema de em qual sentido os ciclistas devem trafegar é sempre uma dúvida dos cidadãos. “O ciclista tem que andar no sentido da via, não pode ir na contramão da direção. Ele perde o direito dele como ciclista ao andar na contramão. Quase 90% dos ciclistas que se envolvem em sinistros em rotatórias e retornos estavam em sentido contrário”.

O especialista também esclarece se ciclistas devem trafegar perto do meio fio. “A recomendação é trafegar mais ao bordo direito, não necessariamente perto do meio fio, a bicicleta pode ocupar uma faixa dependendo da velocidade, é um veículo também. Porém, a faixa da esquerda é de ultrapassagem”.

Miguel Videl encerra esse bate-papo com a Agência Brasília com algumas dicas importantes: “Os ciclistas são equiparados aos pedestres, quando estiverem nas faixas de pedestres, têm de descer e empurrar a bicicleta. Os carros, quando ultrapassarem os ciclistas, têm de observar a distância de 1,5 metro e, se possível, mudar de faixa. Os motoristas têm que proteger os ciclistas e nunca ameaçá-los”, finalizou.