Educação: Mais de 3,7 mil cidades não têm data para o retorno de aulas presenciais

0
380

Apenas 4,9% dos municípios têm data prevista para abertura das escolas.

Pesquisa aponta que um total de 3.742 prefeituras não têm data prevista para retorno das aulas presenciais em suas redes municipais de ensino. O levantamento foi feito em setembro pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que consultou 3.988 governos locais, uma amostra de 71,6% do país, que possui 5.570 municípios. Nos territórios que responderam à sondagem, vivem 14,6 milhões de alunos atendidos por redes municipais de ensino, que representam 63,3% das matrículas nesse segmento no país. 

Na avaliação da entidade, a falta de uma data de retorno não significa uma “posição omissa” dos prefeitos.

” Ao contrário, decidir pela não retomada das aulas indica uma postura responsável e cautelosa do gestor “.

LEIA MAIS:

DEPUTADO FEDERAL JÚLIO CÉSAR : Brasília e Santa Catarina seguem para prorrogar contrato de professores temporários até final de 2021.

” Professores Temporadios do Distrito Federal fazem vídeo de solidariedade/apoio ao Secretário de Educação Leandro Cruz que testou positivo para a COVID-19. Neste momento o Secretário encontra-se internado para observação no hospital Santa Luzia no Distrito Federal.

 

A situação não pode ser simplificada, a pandemia já representa prejuízo à aprendizagem dos alunos e da educação como um todo, mas a pergunta sobre quando retornar essas atividades precisa ser respondida com responsabilidade, pois é inegável a preocupação com a retomada das aulas por conta da disseminação do vírus”, diz o relatório da pesquisa. 

Dos municípios consultados, apenas 197 (4,9% da amostra) informaram uma data de reabertura das escolas já marcada, mas a própria CNM pondera que “a realidade tem mostrado, especialmente em nível estadual, que as previsões iniciais não têm se confirmado e o retorno tem sido adiado, a exemplo do que ocorreu no Maranhão, Rio Grande do Norte, Acre, Piauí e Distrito Federal”. O principal fator para o não cumprimento das previsões, na percepção da entidade, é a judicialização da volta às aulas em todo o país, com cobranças de medidas para proibir o retorno das atividades presenciais nas escolas.

“O entendimento é balizado pelo risco de aumento de contaminação da covid-19, em razão da exposição de milhares de estudantes e professores, o que pode colocar a população em potenciais situações de contágio”, diz a CNM.

Fonte: Pedro Rafael Vilela – Agência Brasil – Brasília