Veja novo vídeo na Rodoferroviária: Detran registra pelo menos 3 rachas por dia

0
535
Brasília(DF), 10/07/2020 Carros espotivos utilizados em rachas estacionados da antiga Rodoferroviária. Policia Militar faz ronda pelo local. Local: Estacionameto do Shopping Popular de Brasília . Foto: Igo Estrela/Metrópoles

Apenas no primeiro semestre deste ano, o órgão registrou 456 autuações provocadas por motoristas que promovem manobras e corridas ilegais

O ponto de encontro é manjado: estacionamento do Shopping Popular, onde funciona um posto do Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF). O horário da zombaria, em plena madrugada, permanece despistando a previsão das autoridades. As pistas vazias e o isolamento social provocado pela pandemia do novo coronavírus é um convite aos rachas e pegas promovidos por um grupo de jovens.

Todos os dias, de acordo com dados do órgão de trânsito, uma média de três condutores são autuados por infrações relacionadas às corridas ilegais nas ruas do Distrito Federal. Nos primeiros cinco meses deste ano, 456 pessoas foram flagradas pela fiscalização e sofreram sanções por transformarem as vias largas da capital da República em pistas de corrida. No mesmo período de 2019, os casos registrados chegaram a impressionantes 570 autuações.

As ocorrências policiais das últimas semanas – um racha que deixou uma BMW completamente destruída no Pistão Norte, em Taguatinga, e um pega no Noroeste, onde um rapaz de 22 anos ficou gravemente ferido – ligaram o sinal de alerta do Detran, que apertou a fiscalização e mapeou os principais pontos nos quais donos de carros envenenados se encontram para as disputas em alta velocidade.

Pelo menos cinco locais foram identificados pela inteligência do órgão como redutos dos chamados “racheiros”.

Corrida no Monumental

Na última semana, o Metrópoles varou a madrugada acompanhando o movimento em um dos points mais tradicionais do DF para reunião de pilotos clandestinos. Ao lado de um quartel militar e a 4 km do Palácio do Buriti, os jovens desafiavam a lei. Grupos de três ou quatro motoristas participam dos rachas.

Por ser um local ainda pouco habitado e não ter semáforos e quebra-molas, essas estradas são alvo de rachas. Existe um risco grande no local, pois as vias possuem grandes desníveis e podem provocar acidente graves, como o que ocorreu no caso do jovem de 22 anos

LÚCIO LAHM, DIRETOR DE POLICIAMENTO E FISCALIZAÇÃO DE TRÂNSITO DO DETRAN-DF.

Fonte: Metrópoles.